R$ 54,90
ou R$ 52,16 via Pix
Comprar Estoque: 10 dias úteis
  • R$ 52,16 Pix
  • R$ 54,90 Pagali Cartão
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.
Vencedor do Prêmio Jabuti“Magistral, simplesmente magistral. Li-o numa assentada só, sem poder parar!” José Saramago“Flávio é um novo Dostoiévski, e Memórias do esquecimento revela imagens vívidas num inferno apenas entrevisto por Dante, Rimbaud e o próprio Dostoiévski.” Ernesto SabatoO sequestro do embaixador dos Estados Unidos no Brasil e sua liberação em troca do resgate de quinze presos políticos em 1969 é o eixo deste livro, um relato descarnado e cru em que o terror dos cárceres da ditadura militar se alterna com cenas de ternura e lirismo. Tal qual em um romance de ação, aqui estão os labirintos de uma época tumultuada da História recente, narrados por quem foi protagonista e vítima daqueles tempos.Nada se omite aqui sobre aqueles anos. De um lado, a tortura e o choque elétrico surgem como método usual de interrogatório. De outro, a resistência armada ao regime militar – da qual Flávio Tavares participou – aparece nua, enredada numa engrenagem de fanáticos sonhos.Um dos mais pungentes relatos já escritos sobre os porões da ditadura militar brasileira, este livro, publicado originalmente em 1999, é um testemunho vivo e necessário sobre uma época funesta, sombria e tortuosa. 1) Obra imprescindível sobre os anos de chumbo da ditadura militar no Brasil e na América Latina, vencedora do Prêmio Jabuti na categoria Reportagem.2) Flávio Tavares, que participou da luta armada contra o regime militar brasileiro, esteve envolvido em um dos episódios mais emblemáticos do período: foi um dos 15 presos políticos libertados como resultado do sequestro de Charles Elbrick, embaixador norte-americano no Brasil, pela resistência (sequestro realizado, entre outros, por Fernando Gabeira, em cujo livro O que é isso, companheiro? a história também é contada).3) Os horrores dos porões da ditadura, onde aconteciam tortura e assassinatos, são aqui relatados por uma testemunha e sobrevivente que transformou suas terríveis lembranças nesta verdadeira obra-prima da literatura.4) Além do relato das torturas sofridas no Brasil, o autor conta também os suplícios sofridos nas mãos da polícia do Uruguai, onde foi preso na década de 1970.5) A narrativa é magistral ao rememorar torturas presenciadas e sofridas: “Sobrevoaram toda a costa de Angra dos Reis [...] e, já de entrada, abriram a porta do helicóptero e o empurraram no ar. Com a perna esquerda amarrada ao aparelho por uma corda, ele balançou na vertical como um pêndulo, durante minutos. O helicóptero voava lento, logo parava e se mexia de um lado a outro, de alto a baixo, e então o prisioneiro voava em círculos, como aqueles trapezistas voadores dos circos. Depois, ele foi içado a bordo, tonto e desnorteado, sem saber direito o que queriam dele, se esquartejá-lo vivo nas nuvens ou apenas mostrar que também se tortura no ar.”; “[...] ouço um ruído de correntes enquanto me tiram o sobretudo e o paletó e removem as algemas para as costas. Continuo vendado e só percebo que estou sendo içado por uma roldana – que pelas costas me agarra as algemas – quando meu corpo se eleva do solo. Suspendem-me apenas alguns centímetros, o suficiente para que eu paire no ar, e a minha tendência natural é tocar o piso com o bico do sapato: nisto consiste a sofisticação dessa tortura. À medida que eu tento tocar o solo, eles voltam a me suspender alguns centímetros e o corpo cai para a frente. Tudo se apoia nos braços estendidos para trás e que tentam – inutilmente – encontrar apoio na ponta do calçado que não consegue tocar o piso. É o ‘colgamiento’, ou ‘penduração’, tortura profunda que não deixa marcas nem cicatrizes, mas destrói. No início, parece um brinquedo bobo. Aos poucos, porém, uma dormência nos braços se expande pelo corpo como uma gangrena seca, progressiva. Primeiro a mão, logo o braço esquerdo, depois o direito, mais adiante o ombro, tudo se gangrena, como milhões de agulhas picando tecido amortecido ou já morto. Essa sensação de necrose só chega ao corpo. A mente continua lúcida. Não se perde o raciocínio – como no choque elétrico – e é aí que a ‘penduração’ alcança o requinte: o preso sabe que está sendo destruído, que o corpo e as forças se esvaem, pouco a pouco E sente o impacto da morte, como eu senti, desfeito, sem forças para sequer rezar.”6) Um caderno de fotos traz fotos e cópias de documentos, como uma carta escrita pelo embaixador Charles Elbrick à mulher em cativeiro; a conhecida foto oficial da FAB que mostra os 15 presos políticos libertados diante do avião que os levaria ao exílio no México; foto do autor junto a Che Guevara, no Uruguai, em 1961; a chegada do autor ao Brasil em 1979, após a Lei da Anistia e várias outras.7) Flávio Tavares trabalhou como jornalista nos principais veículos de comunicação do Brasil e é autor de vários livros.8) Em tempos de recrudescimento da extrema-direita no Brasil e no mundo, o livro devolve a dimensão humana às atrocidades cometidas pelo Estado durante o regime militar e recupera a sombria história recente da América Latina.
Sobre os autores(as)

Tavares, Flávio

Flávio Tavares é fundador e CEO da Upper - The ADucation Ecosystem, que objetiva transformar toda empresa em uma learning organization. Fundou também o Instituto Parar e o Welcome Tomorrow, além de ser sócio-fundador do Conselho Virtual e proprietário da Moovr.
Flavio acredita no poder das conexões humanas para transformar o amanhã.

Pinheiro Machado, Ivan

Capa: Ivan Pinheiro Machado sobre a pintura “Retrato de Dante” (1495), Sandro Boticelli 47 x 57 cm, têmpera sobre madeira. Coleção particular, Genebra, Suiça.
ISBN 9786556662275
Autores Tavares, Flávio (Autor) ; Pinheiro Machado, Ivan (Design)
Editora L&pm
Idioma Português
Edição 1
Ano de edição 2022
Páginas 240
Acabamento Brochura
Dimensões 21,00 X 14,00
R$ 54,90
ou R$ 52,16 via Pix
Comprar Estoque: 10 dias úteis
Pague com
  • Pagali
  • Pix
Selos
  • Site Seguro

LIDF LIVRARIA INTERNACIONAL DO DISTRITO FEDERAL - CNPJ: 19.294.574/0001-48 © Todos os direitos reservados. 2024


Para continuar, informe seu e-mail

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência em nosso site. Para saber mais acesse nossa página de Política de Privacidade